acura atraves da natureza

domingo, 19 de maio de 2013

Plantas Tóxicas e Tratamento


Intoxicações por Plantas Tóxicas
Quadro - Resumo de Plantas Tóxicas: Quadro Clínico e
Tratamento segundo Princípio Ativo
PARTE A
COPO DE LEITE
Família:
Araceae.
Nome científico:
Zantedeschia aethiopica Spreng.
Nome popular
: copo-de-leite
Parte tóxica:
todas as partes da planta
Princípio Ativo
: Oxalato de Cálcio
Quadro Clínico:
Irritante mecânico por ingestão e contato (ráfides).
Dor em queimação, eritema e edema (inchaço) de
lábios, língua, palato e faringe. Sialorréia,
disfagia, asfixia. Cólicas abdomina
is, náuseas, vômitos e diarréia.
Contato ocular: irritação intensa com conges
tão, edema, fotofobia. Lacrimejamento.
Tratamento:
Evitar lavagem gástrica ou êmese.
Tratamento sintomático: Demulcentes (leite, clara de ovo, azeite de oliva,
bochechos com hidróxido de alumínio),
Analgésicos e antiespasmódicos.Anti-histamínicos. Corticóides em casos graves.
Contato ocular: Lavagem demorada com água corrente, colírios
antissépticos. Oftalmologista.
COMIGO-NINGUÉM-PODE
Família:
Araceae.
Nome científico
:
Dieffenbachia picta Schott.
Nome popular:
aninga-do-Pará.
Parte tóxica:
todas as partes da planta.
Princípio Ativo:
Oxalato de Cálcio
Quadro Clínico:
Irritante mecânico por ingestão e contato (ráfides).
Dor em queimação, eritema e edema (inchaço) de lábios, língua, palato e faringe.
Sialorréia, disfagia, asfixia.
Cólicas abdominais, náuseas, vômitos e diarréia.
Contato ocular: irritação intensa com conges
tão, edema, fotofobia. Lacrimejamento.
Tratamento:
Evitar lavagem gástrica ou êmese.
Tratamento sintomático: Demulcentes (leite, clara de ovo, azeite de oliva,
bochechos com hidróxido de alumínio),
Analgésicos e antiespasmódicos.Anti-histamínicos. Corticóides em casos graves.
Contato ocular: Lavagem demorada com água co
rrente, colírios antissépticos. Oftalmologista.
TINHORÃO
Família:
Araceae
.
Nome científico:
Caladium bicolor Vent.
Nome popular:
tajá, taiá, caládio.
Parte tóxica:
todas as partes da planta.
Princípio Ativo:
Oxalato de Cálcio
Quadro Clínico:
Irritante mecânico por ingestão e contato (ráfides).
Dor em queimação, eritema e edema (inchaço) de lábios, língua, palato e faringe.
Sialorréia, disfagia, asfixia.
Cólicas abdominais, náuseas, vômitos e diarréia.
Contato ocular: irritação intensa com conges
tão, edema, fotofobia. Lacrimejamento.
Tratamento:
Evitar lavagem gástrica ou êmese.
Tratamento sintomático: Demulcentes (leite, clara de ovo, azeite de oliva,
bochechos com hidróxido de alumínio),
Analgésicos e antiespasmódicos.Anti-histamínicos. Corticóides em casos graves.
Contato ocular: Lavagem demorada com água co
rrente, colírios antissépticos. Oftalmologista.
TAIOBA-BRAVA
Família
:
Araceae
.
Nome científico:
Colocasia antiquorum Schott.
Nome popular
: cocó, taió, tajá.
Parte tóxica:
todas as partes da planta.
Princípio Ativo
:

Quadro Clínico:
Irritante mecânico por ingestão e contato (ráfides).
Dor em queimação, eritema e edema (inchaço) de lábios, língua, palato e faringe.
Sialorréia, disfagia, asfixia.
Cólicas abdominais, náuseas, vômitos e diarréia.
Contato ocular: irritação intensa com conges
tão, edema, fotofobia. Lacrimejamento.
Tratamento
: Evitar lavagem gástrica ou êmese.
Tratamento sintomático: Demulcentes (leite, clara de ovo, azeite de oliva,
bochechos com hidróxido de alumínio),
Analgésicos e antiespasmódicos.Anti-histamínicos. Corticóides em casos graves.
Contato ocular: Lavagem demorada com água co
rrente, colírios antissépticos. Oftalmologista.
BANANA DE MACACO
Família:
Annonaceae
Nome científico
:
Rollinia leptopetala
R.E.Fr.
Nome popular:
Araticum, Ata-brava, Banana-de-macaco, Bananinha, Bananinha-de-macaco,
Bananinha-de-quemquem, Fruta-de-macaco, Pereiro
Parte tóxica :
todas as partes da planta.
Princípio Ativo:
Oxalato de Cálcio
Quadro Clínico:
Irritante mecânico por ingestão e contato (ráfides).
Dor em queimação, eritema e edema (inchaço) de lábios, língua, palato e faringe.
Sialorréia, disfagia, asfixia.
Cólicas abdominais, náuseas, vômitos e diarréia.
Contato ocular: irritação intensa com conges
tão, edema, fotofobia. Lacrimejamento.
Tratamento:
Evitar lavagem gástrica ou êmese.
Tratamento sintomático: Demulcentes (leite, clara de ovo, azeite de oliva,
bochechos com hidróxido de alumínio),
Analgésicos e antiespasmódicos.Anti-histamínicos. Corticóides em casos graves.
Contato ocular: Lavagem demorada com água co
rrente, colírios antissépticos. Oftalmologista.
COROA-DE-CRISTO
Família
:
Euphorbiaceae.
Nome científico:
Euphorbia milii L.
Nome popula
r: coroa-de-cristo.
Parte tóxica:
todas as partes da planta.
Princípio ativo:
Látex Irritante
Quadro Clínico
: Irritação de pele e mucosas com hiperemia ou vesículas e bolhas; pústulas,
prurido, dor em queimação.
Ingestão: lesão irritativa, sialorréia, disfagia, edem
a de lábios e língua, dor
em queimação, náuseas,
vômitos.
Contato ocular: Conjuntivite (processos inflamatórios), lesões de córnea.
Tratamento
: Lesões de pele: cuidados higiênicos
, lavagem com permanganato de potássio
1:10.000, pomadas decorticóide
s, anti-histamínicos VO
.Ingestão: Evitar esvaziamento gástrico.Analgés
icos e antiespasmódicos. Protetores de mucosa
(leite, óleo de oliva).
Casos graves: corticóides.Contato ocular: lava
gem com água corrente, colírios antissépticos,
avaliação oftalmológica.
BICO-DE-PAPAGAIO
Família:
Euphorbiaceae.
Nome científico:
Euphorbia pulcherrima Willd.
Nome popular:
rabo-de-arara, papagaio.
Parte tóxica:
todas as partes da planta.
Princípio ativo:
Látex Irritante
Quadro Clínico:
Irritação de pele e mucosas com hiperemia ou vesículas e bolhas; pústulas,
prurido, dor em queimação.
Ingestão: lesão irritativa, sialorréia, disfagia, edem
a de lábios e língua, dor
em queimação, náuseas,
vômitos.
Contato ocular: Conjuntivite (processos inflamatórios), lesões de córnea.
Tratamento
: Lesões de pele: cuidados higiênicos
, lavagem com permanganato de potássio
1:10.000, pomadas decorticóide
s, anti-histamínicos VO
.Ingestão: Evitar esvaziamento gástrico.Analgés
icos e antiespasmódicos. Protetores de mucosa
(leite, óleo de oliva).
Casos graves: corticóides.Contato ocular: lava
gem com água corrente, colírios antissépticos,
avaliação oftalmológica.
AVELÓS
Família:
Euphorbiaceae.
Nome científico
:
Euphorbia tirucalli L.
Nome popular:
graveto-do-cão, figueira-do-diabo, dedo-do-diabo, pau-
pelado, árvore de São Sebastião.
Parte tóxica:
todas as partes da planta.
Princípio ativo:
Látex Irritante
Quadro Clínico:
Irritação de pele e mucosas com hiperemia ou vesículas e bolhas; pústulas,
prurido, dor em queimação.
Ingestão: lesão irritativa, sialorréia, disfagia, edem
a de lábios e língua, dor
em queimação, náuseas,
vômitos.
Contato ocular: Conjuntivite (processos inflamatórios), lesões de córnea.
Tratamento
: Lesões de pele: cuidados higiênicos
, lavagem com permanganato de potássio
1:10.000, pomadas decorticóide
s, anti-histamínicos VO
.Ingestão: Evitar esvaziamento gástrico.Analgés
icos e antiespasmódicos. Protetores de mucosa
(leite, óleo de oliva).
Casos graves: corticóides.Contato ocular: lava
gem com água corrente, colírios antissépticos,
avaliação oftalmológica.
PARTE B
PINHÃO-ROXO
Família:
Euphorbiaceae.
Nome científico:
Jatropha curcas L.
Nome popular:
pinhão-de-purga, pinhão-paraguaio, pinhão-
bravo, pinhão, pião, pião-roxo, mamoninho, purgante-de-cavalo.
Parte tóxica:
folhas e frutos.
Princípio Ativo
: Toxalbumina (curcina)
Quadro Clínico:
Ingesta: ação irritativa do trato gastrointestinal
, dor abdominal, náuseas,
vômitos, cólicas intensas,
diarréia às vezes sanguinolenta.Hipotensão, disp
néia, arritmia, parada cardíaca. Evolução para
desidratação grave, choque, distúrbios hidroeletr
olíticos, torpor, hiporreflexia, coma. Pode ocorrer
insuficiência renal.
Contato: látex, pelos e espinhos: irritante de pele e mucosas.
Tratamento:
Antiespasmódicos, antieméticos, eventual
mente antidiarréicos. Correção precoce dos
distúrbios hidroeletrolíticos
Lesões de pele: soluções antissépticas, analgésico
s, anti-histamínicos. Casos graves: corticóides.
MAMONA
Família:
Euphorbiaceae.
Nome científico:
Ricinus communis L.
Nome popular:
carrapateira, rícino, mamoeira, palma-de-
cristo, carrapato.
Parte tóxica:
sementes.
Princípio Ativo:
Toxalbumina (ricina)
Quadro Clínico:
Ingesta: ação irritativa do trato gastrointestinal
, dor abdominal, náuseas,
vômitos, cólicas intensas,
diarréia às vezes sanguinolenta.Hipotensão, disp
néia, arritmia, parada cardíaca. Evolução para
desidratação grave, choque, distúrbios hidroeletr
olíticos, torpor, hiporreflexia, coma. Pode ocorrer
insuficiência renal.
Contato: látex, pelos e espinhos: irritante de pele e mucosas.
Tratamento
: Antiespasmódicos, antieméticos, eventual
mente antidiarréicos. Correção precoce dos
distúrbios hidroeletrolíticos
Lesões de pele: soluções antissépticas, analgésico
s, anti-histamínicos. Casos graves: corticóides.
SAIA-BRANCA
Família:
Solanaceae.
Nome científico:
Datura suaveolens L.
Nome popular
: trombeta, trombeta-de-anjo,
trombeteira, cartucheira,
zabumba.
Parte tóxica:
todas as partes da planta.
Princípio ativo
: alcalóides beladonados (atropina, escopolamina e
hioscina).
Quadro Clínico:
Início rápido: náuseas e vômitos.
Quadro semelhante à intoxicação poratropina: pe
le quente, seca e avermelhada, rubor facial,
mucosas secas, taquicardia, midríase, agitação ps
icomotora, febre, distúrbios de comportamento,
alucinações e delírios, vasodilatação periférica.
Nos casos graves: depressão neurológica e coma, dist
úrbios cardiovasculares, respiratórios e óbito.
Tratamento:
Esvaziamento gástrico com lavagem gástrica (em tempo útil) com água,
permanganato de potássio ou ácido tânico a 4%.
Tratamento de suporte/sintomático.
Tratar hipertermia com medidas físicas.
Evitar sedativos nos casos mais graves.
SAIA ROXA
Família:
Nome científico:
Datura metel
Nome popular:
Saia roxa
Parte tóxica
: Semente
Princípio Ativo:
Alcalóide daturina
Quadro Clínico
: Início rápido: náuseas e vômitos.
Quadro semelhante à intoxicação poratropina: pe
le quente, seca e avermelhada, rubor facial,
mucosas secas, taquicardia, midríase, agitação ps
icomotora, febre, distúrbios de comportamento,
alucinações e delírios, vasodilatação periférica.
Nos casos graves: depressão neurológica e coma, dist
úrbios cardiovasculares, respiratórios e óbito.
Tratamento:
Esvaziamento gástrico com lavagem gástrica (em tempo útil) com água,
permanganato de potássio ou ácido tânico a 4%.
Tratamento de suporte/sintomático.
Tratar hipertermia com medidas físicas.
Evitar sedativos nos casos mais graves.
ESTRAMÔNIO
Família:
Solanaceae
Nome científico:
Datura stramonium L.
Nome popular:
Zabumba, Mata zombando, Figueira do
inferno
Parte tóxica:
todas as partes da planta.
Princípio ativo:
Plantas Beladonadas
Quadro Clínico
: Início rápido: náuseas e vômitos.
Quadro semelhante à intoxicação poratropina: pe
le quente, seca e avermelhada, rubor facial,
mucosas secas, taquicardia, midríase, agitação ps
icomotora, febre, distúrbios de comportamento,
alucinações e delírios, vasodilatação periférica.
Nos casos graves: depressão neurológica e coma, dist
úrbios cardiovasculares, respiratórios e óbito.
Tratamento:
Esvaziamento gástrico com lavagem gástrica (em tempo útil) com água,
permanganato de potássio ou ácido tânico a 4%.
Tratamento de suporte/sintomático.
Tratar hipertermia com medidas físicas.
Evitar sedativos nos casos mais graves.
LÍRIO
Família
:
Meliaceae
Nome científico:
Melia azedarach L.
Nome popular:
L
i
l
á
s
o
u
l
í
r
i
o
d
a
í
n
d
i
a
,
c
i
n
a
m
o
m
o
,
l
í
r
i
o
o
u
l
i
l
á
s
d
china, lírio ou lilás do Japão, jasmim-de-caiena, jasmim-de-
cachorro, jasmim-de-soldado, árvor
e
-
s
a
n
t
a
,
l
o
u
r
e
i
r
o
-
g
r
e
g
o
,
S
Bárbara.
Parte tóxica:
frutos e chá das folhas.
a
a
n
t
a
Princípio ativo
: saponinas e alcalóides neurotóxicos (azaridina).
Quadro Clínico
: Início rápido: náuseas e vômitos.
Quadro semelhante à intoxicação poratropina: pe
le quente, seca e avermelhada, rubor facial,
mucosas secas, taquicardia, midríase, agitação ps
icomotora, febre, distúrbios de comportamento,
alucinações e delírios, vasodilatação periférica.
Nos casos graves: depressão neurológica e coma, dist
úrbios cardiovasculares, respiratórios e óbito.
Tratamento:
Esvaziamento gástrico com lavagem gástrica (em tempo útil) com água,
permanganato de potássio ou ácido tânico a 4%.
Tratamento de suporte/sintomático.
Tratar hipertermia com medidas físicas.
Evitar sedativos nos casos mais graves.
PARTE C
CHAPÉU-DE-NAPOLEÃO
Família:
Apocynaceae.
Nome científico:
Thevetia peruviana Schum.
Nome popular
: jorro-jorro, bolsa-de-pastor.
a
p
l
a
n
t
a
.
Parte tóxica:
t
o
d
a
s
a
s
p
a
r
t
e
s
d
Princípio Ativo:
Glicosídeos Cardiotóxicos
Quadro Clínico:
Quadro semelhante à intoxicação por digitálicos.
Ingestão:dor/queimação, sialorréia, náusea
s, vômitos, cólicas abdominais,diarréia.
Manifestações neurológicas com cefaléia, tontur
as, confusão mental e distúrbios visuais.
Distúrbios cardiovasculares: arri
tmias, bradicardia, hipotensão.
Contato ocular: fotofobia, congestão conjuntival, lacrimejamento.
Tratamento:
Tratamento de suporte, com atenção esp
ecial aos distúrbios hidroeletrolíticos.
Antiarrítmicos habituais nos distúrbios de ritmo.
Antiespasmódicos, antieméticos, protetores
de mucosa e adsorventes intestinais.
Contato ocular: lavagem com água corrente, co
lírios antissépticos, analgésicos e avaliação
oftalmológica.
OFICIAL DE SALA
Familia :
Asclepiadaceae
Nome Cientific
o:
Asclepias curassavica L
.
Nome Popular:
Paina-de-sapo, oficial-de-sala, cega-olhos,
erva-de-paina, margaridinha, imbira-de-sapo, erva de rato falsa
Parte tóxica
: todas as partes da planta.
Princípio Ativo:
Glicosídeos Cardiotóxicos
Quadro Clínico:
Quadro semelhante à intoxicação por digitálicos.
Ingestão:dor/queimação, sialorréia, náusea
s, vômitos, cólicas abdominais,diarréia.
Manifestações neurológicas com cefaléia, tontur
as, confusão mental e distúrbios visuais.
Distúrbios cardiovasculares: arri
tmias, bradicardia, hipotensão.
Contato ocular: fotofobia, congestão conjuntival, lacrimejamento.
Tratamento:
Tratamento de suporte, com atenção esp
ecial aos distúrbios hidroeletrolíticos.
Antiarrítmicos habituais nos distúrbios de ritmo.
Antiespasmódicos, antieméticos, protetores
de mucosa e adsorventes intestinais.
Contato ocular: lavagem com água corrente, co
lírios antissépticos, analgésicos e avaliação
oftalmológica.
ESPIRRADEIRA
Família:
Apocynaceae.
Nome científico:
Nerium oleander L.
Nome popular:
oleandro, louro rosa.
Parte tóxica:
todas as partes da planta.
Princípio Ativo:
Glicosídeos Cardiotóxicos
Quadro Clínico:
Quadro semelhante à intoxicação por digitálicos.
Ingestão:dor/queimação, sialorréia, náusea
s, vômitos, cólicas abdominais,diarréia.
Manifestações neurológicas com cefaléia, tontur
as, confusão mental e distúrbios visuais.
Distúrbios cardiovasculares: arri
tmias, bradicardia, hipotensão.
Contato ocular: fotofobia, congestão conjuntival, lacrimejamento.
Tratamento:
Tratamento de suporte, com atenção esp
ecial aos distúrbios hidroeletrolíticos.
Antiarrítmicos habituais nos distúrbios de ritmo.
Antiespasmódicos, antieméticos, protetores
de mucosa e adsorventes intestinais.
Contato ocular: lavagem com água corrente, co
lírios antissépticos, analgésicos e avaliação
oftalmológica.
DEDALEIRA
Família:
Scrophulariaceae
Nome científico:
Digitalis purpúrea L.
Nome popular:
Dedaleira, digital
Parte tóxica:
Folha e Flor
Princípio Ativo:
Glicosídeos Cardiotóxicos
Quadro Clínico:
Quadro semelhante à intoxicação por digitálicos.
Ingestão:dor/queimação, sialorré
ia, náuseas, vômitos, cólicas
abdominais,diarréia.
Manifestações neurológicas com cefaléia, tontur
as, confusão mental e distúrbios visuais.
Distúrbios cardiovasculares: arri
tmias, bradicardia, hipotensão.
Contato ocular: fotofobia, congestão conjuntival, lacrimejamento.
Tratamento:
Tratamento de suporte, com atenção esp
ecial aos distúrbios hidroeletrolíticos.
Antiarrítmicos habituais nos distúrbios de ritmo.
Antiespasmódicos, antieméticos, protetores
de mucosa e adsorventes intestinais.
Contato ocular: lavagem com água corrente, co
lírios antissépticos, analgésicos e avaliação
oftalmológica.
MANDIOCA-BRAVA
Família:
Euphorbiaceae.
Nome científico
:
Manihot utilissima Pohl. (Manihot esculenta
ranz).
Nome popular:
mandioca, maniva.
Parte tóxica:
raiz e folhas.
Princípio Ativo:
Glicosídios Cianogênicos
Quadro Clínico:
Liberam ácido cianídrico causando anóxia celular. Distúrbios gastrointestinais:
náuseas, vômitos, cólicas abdominais, diarréia, ac
idose metabólica, hálito de amêndoas amargas.
Distúrbios neurológicos: sonolênc
ia, torpor,convulsões e coma.
Crise típica: opistótono, trismas e midríase.
Distúrbios respiratórios: dispnéia, apnéia, secr
eções, cianose, distúrbios cárdiocirculatórios.
Hipotensão na fase final. Sangue vermelho rutilante.
Tratamento:
Tratamento precoce. Exames laboratoriais para detecção de tiocianatos na saliva ou
cianeto no sangue.
Nitrito de Amila por via inalatória 30seg a cada 2min: formação de cianometahemoglobina
(atóxica).
Nitrito de Sódio 3% - 10ml EV (adultos), se
neces. tratar com Azul de Metileno + Vit C.
Hipossulfito de Sódio 25% - 25 a 50ml EV (adultos), 1ml/Kg (crianças).
Dão origem a tiocianatos.O2.Hidroxicobalami
na 15000mcg EV-formação de ciano-Cobalamina
(atóxica). Esvaziamento gástrico.
Coração de Negro ou Pessegueiro Bravo
Família:
Rosaceae
.
Nome científico:
Prunus sphaerocarpa SW
Nome popular:
pessegueiro bravo, marmeleiro bravo.
Partes tóxicas:
frutas e sementes.
Princípio Ativo:
Glicosídios Cianogênicos
Quadro Clínico: Liberam ácido cianídrico causando
anóxia celular. Distúrbios gastrointestinais:
náuseas, vômitos, cólicas abdominais, diarréia, ac
idose metabólica, hálito de amêndoas amargas.
Distúrbios neurológicos: sonolênc
ia, torpor,convulsões e coma.
Crise típica: opistótono, trismas e midríase.
Distúrbios respiratórios: dispnéia, apnéia, secr
eções, cianose, distúrbios cárdiocirculatórios.
Hipotensão na fase final. Sangue vermelho rutilante.
Tratamento: Tratamento precoce. Exames laboratoriais para detecção de tiocianatos na saliva ou
cianeto no sangue.
Nitrito de Amila por via inalatória 30seg a cada 2min: formação de cianometahemoglobina
(atóxica).
Nitrito de Sódio 3% - 10ml EV (adultos), se
neces. tratar com Azul de Metileno + Vit C.
Hipossulfito de Sódio 25% - 25 a 50ml EV (adultos), 1ml/Kg (crianças).
Dão origem a tiocianatos.O2.Hidroxicobalami
na 15000mcg EV-formação de ciano-Cobalamina
(atóxica). Esvaziamento gástrico.
BROTO DE BAMBU
Princípio Ativo:
Glicosídios Cianogênicos
Quadro Clínico
: Liberam ácido cianídrico causando anóxia celular. Distúrbios gastrointestinais:
náuseas, vômitos, cólicas abdominais, diarréia, ac
idose metabólica, hálito de amêndoas amargas.
Distúrbios neurológicos: sonolênc
ia, torpor,convulsões e coma.
Crise típica: opistótono, trismas e midríase.
Distúrbios respiratórios: dispnéia, apnéia, secr
eções, cianose, distúrbios cárdiocirculatórios.
Hipotensão na fase final. Sangue vermelho rutilante.
Tratamento:
Tratamento precoce. Exames laboratoriais para detecção de tiocianatos na saliva ou
cianeto no sangue.
Nitrito de Amila por via inalatória 30seg a cada 2min: formação de cianometahemoglobina
(atóxica).
Nitrito de Sódio 3% - 10ml EV (adultos), se
neces. tratar com Azul de Metileno + Vit C.
Hipossulfito de Sódio 25% - 25 a 50ml EV (adultos), 1ml/Kg (crianças).
Dão origem a tiocianatos.O2.Hidroxicobalami
na 15000mcg EV-formação de ciano-Cobalamina
(atóxica). Esvaziamento gástrico.
PARTE D
Família:
Ranunculaceae
Nome científico:
Delphinium spp
Nome Popular :
Esporinha
Parte tóxica:
Semente
Princípio Ativo:
Alcalóides não Atropínicos (Alcalóide delfina)
Quadro Clínico:
Predominam sintomas gastrointestinais: ná
useas, cólicas abdominais e diarréia.
Distúrbios hidroeletrolíticos. Rarament
e torpor e discreta confusão mental.
Tratamento:
Esvaziamento gástrico (muitas vezes não é necessário lavagem
gástrica).Antiespasmódico, antiemético.Manter o
estado de hidratação.No quadro obstrutivo por
Joá: clister à base de soro fisiológico.Tratamento sintomático.
FLOR DAS ALMAS
Família:
Asteraceae
Nome científico:
Senecio spp.
Nome popular:
maria-mole, tasneirinha, flor das almas.
Princípio Ativo:
Alcalóides não Atropínicos
Quadro Clínico:
Predominam sintomas gastrointestinais: náuseas, cólicas
abdominais e diarréia.
Distúrbios hidroeletrolíticos. Rarament
e torpor e discreta confusão mental.
Principalmente crônica pode causar doença hepáti
ca com evolução para cirrose ou S. Budd-Chiari.
Tratamento:
Esvaziamento gástrico (muitas vezes não é necessário lavagem
gástrica).Antiespasmódico, antiemético.Manter o
estado de hidratação.No quadro obstrutivo por
Joá: clister à base de soro fisiológico.Tratamento sintomático.
Plantas:
Cogumelos não comestíveis: Várias famílias e
gênero: Amanita sp, Boletus sp, Clavaria sp
e outros
Princípio Ativo:
Cogumelos
Quadro Clínico:
(pp. Síndromes) Síndrome Gastrointestinal: náuseas, vômitos, desconforto e
dores abdominais e diarréia.
Aparecimento em 1 a 3 h.
Distúrbios hidroeletrolíticos e circulatórios.
Síndrome Muscarínica: Período de incubação ge
ralmente de 1 hora. Cefaléia, vômitos, cólicas
abdominais, sudorese intensa. Visão borrada, mi
ose, salivação, broncoespasmo, lacrimejamento,
rinorréia. Bradicardia, tremores, tont
uras, hipotensão arterial, choque.
Tratamento:
Síndrome gastrointestinal: sintomático, an
tiemético, antiespasmódico, correção dos
distúrbios hidroeletrolíticos. Ob
servar paciente por 2-3 dias.
Síndrome muscarínica: Atropina. Medidas sintomáticas e de suporte.
OUTRAS PLANTAS TÓXICAS
URTIGA
Família:
Urticaceae.
Nome científico:
Fleurya aestuans L.
Nome popular:
urtiga-brava, urtigão, cansanção.
Parte tóxica:
pêlos do caule e folhas.
Princípio ativo
: histamina, acetilcolina, serotonina.
Sintomas:
o contato causa dor imediata devido ao efeito irritativo, com inflamação, vermelhidão
cutânea, bolhas e coceira.
AROEIRA
Família:
Anacardiaceae
.
Nome científico:
Lithraea brasiliens March.
Nome popular:
pau-de-bugre, coração-de-bugre, aroeirinha
preta, aroeira-do-mato, aroeira-brava.
Parte tóxica:
todas as partes da planta.
Princípio ativo:
os conhecidos são os óleos voláteis, felandreno, carvacrol e pineno.
Sintomas:
o contato ou, possivelmente, a proximidad
e provoca reação dérmica local (bolhas,
vermelhidão e coceira), que persiste por vários
dias; a ingestão pode provocar manifestações
gastrointestinais.
MEDIDAS PREVENTIVAS
1 - Mantenha as plantas venenosas fora do alcance das crianças.
2 - Conheça as plantas venenosas existentes em su
a casa e arredores pelo nome e características.
3 - Ensine as crianças a não colocar plantas na boca e não utilizá-las como brinquedos (fazer
comidinhas, tirar leite, etc.).
4 - Não prepare remédios ou chás caseir
os com plantas sem orientação médica.
5 - Não coma folhas, frutos e raízes desconhecida
s. Lembre-se de que não há regras ou testes
seguros para distinguir as plantas comestíveis
das venenosas. Nem sempre o cozimento elimina a
toxicidade da planta.
6 - Tome cuidado ao podar as plantas que lib
eram látex provocando irritação na pele e
principalmente nos olhos; evite deixar os galhos em qualquer local onde possam vir a ser
manuseados por crianças; quando estiver lidando
com plantas venenosas use luvas e lave bem as
mãos após esta atividade.
7 - Em caso de acidente, procure imediatamente orientação médica e guarde a planta para
identificação.
8 - Em caso de dúvida ligue para o Centro de Intoxicação de sua região.

deixe seu recardo aqui

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens populares

Ocorreu um erro neste gadget