. a cura: epidemia de AIDS hoje no Brasil.

ache aqui

reabilitação,quimica,engravida,criança,emagrecer,obsidade

---------------------------------- ----------------------------------------------- -----------------------------------------------------------------------------------------

terça-feira, 2 de maio de 2017

epidemia de AIDS hoje no Brasil.

pior epidemia de AIDS desde 1981, segundo relatório

 São 827 mil pessoas infectadas pelo vírus HIV hoje no Brasil.

 

Quem pensa em AIDS e logo imagina uma pessoa bem magrinha no fim da vida, tem uma imagem antiga da doença. Hoje é possível viver normalmente graças aos avanços da medicina.
Mas, no entanto, a AIDS continua sendo gravíssima. Infelizmente um relatório do Ministério da Saúde alerta para o crescimento no número de casos da doença, principalmente entre jovens e mulheres.
Quem fala sobre a epidemia global é o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV (e não o Ministério da Saúde, como havíamos informado antes). Segundo a entidade, os casos de infecção por HIV também voltaram a aumentar no Brasil, principalmente entre os jovens: subiu 11% na faixa etária de 15 a 24 anos.
A epidemia e o não tratamento do vírus HIV mataram aproximadamente 35 milhões de pessoas com doenças relacionadas à AIDS; cerca de 78 milhões foram portadoras do vírus, desde o início da manifestação, há 35 anos.
O Regional
Antes de tudo vale lembrar que HIV é o vírus, AIDS é a doença.
publicidade
A parcela de pessoas que pode portar o vírus HIV e não desenvolver a AIDS, por ser geneticamente imune à doença, é de 1% da população, segundo o Departamento de IST, AIDS e Hepatites Virais.
As células dessas pessoas não tem o receptor CCR-5 e sem ele, o vírus não consegue entrar nelas, infectá-las e se replicar. Algumas dessas pessoas vivem há mais de vinte anos portando o vírus e continuam vivendo normalmente sem qualquer tipo de medicação.
Mesmo nos portadores que possuem o receptor CCR-5, 99% das pessoas, a AIDS demora para entrar em ação no organismo, podendo passar de dez anos entre a transmissão do HIV e o desenvolvimento da doença. Mas ao menor sinal de baixa imunidade, a doença pode aparecer com força total.
Por isso os medicamentos são tão importantes. Com eles, o vírus HIV continuaria encubado, evitando o aparecimento da AIDS na maioria dos casos.
O Ministério da Saúde anunciou, no final de 2016, que existem 827 mil pessoas infectadas pelo vírus HIV vivendo hoje no Brasil, sendo que cerca de 13,5% não tem sequer o diagnóstico.
Um ano antes, em 2015, o Boletim Epidemiológico de HIV e AIDS havia dito que existiam 781 mil portadores do vírus HIV no país, com cerca de 20% de diagnósticos desconhecidos.
Além disso, o relatório anual do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/AIDS e das Hepatites Virais, ligado à Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, mostra ainda que 260 mil pessoas sabem que são portadoras do vírus e não fazem tratamento algum.

Novos Alvos

Entre os jovens, os dados assustam ainda mais. Em dez anos, de 2005 para 2015, o número de casos entre jovens subiu de 16,2 para 33,1 a cada 100 mil habitantes.
As mulheres também estão sendo mais infectadas. Em 2005 elas representavam apenas 2,9% dos pacientes diagnosticas e, em 2015, representavam 6,4% (mais que o dobro). Além disso, no grupo de mulheres com mais de 60 anos a taxa de portadora do vírus aumentou 24,8%, segundo o relatório.
Ivoneide Lucena, psicóloga e gerente operacional do Departamento de DSTs/Aids da Paraíba analisa o caso dos idosos:
“O jovem que nasceu depois dos anos 80 já iniciou a sua vida sexual sabendo da existência e da necessidade da camisinha. Mas a pessoa acima dos 60 anos teve sua iniciação sexual e grande parte da sua vida ativa sem o preservativo. Então, para eles é muito mais difícil de se acostumar”- disse a profissional à BBC.

Por que esse aumento?

Os jovens estão cada vez mais distantes do debate sobre HIV, que até poucos anos atrás era uma sentença de morte. Sem o “susto”, apoiados erroneamente na possibilidade de tratamento fácil, muitos adolescentes aderem ao sexo sem camisinha.
Além disso, pode faltar uma conversa franca em relação ao sexo sem proteção, tanto em casa quanto na escola.
Scoop Empire
– “Não façam sexo. Porque vocês vão engravidar e morrer”
Segundo Jô Jô Menezes, coordenadora de projetos da ONG Gestos:
“As discussões sobre sexualidade têm perdido espaço nos serviços de saúde e nas escolas. Há quem ache que essa é uma discussão pra ser feita na família, mas as famílias não estão preparadas e não querem fazer. A escola é o local onde o jovem se sente mais à vontade. Precisamos de diálogos francos e abertos” – afirma a profissional ao site Erosdita.
O aumento também pode estar relacionado ainda com grupos de internautas que passam a doença de propósito, incentivando o não uso do preservativo e até furando a camisinha quando a vítima não aceita transar sem proteção; o famoso Clube do Carimbo.
Vale lembrar que existem diversos tipos do vírus HIV (que são mutáveis), ou seja, ainda que você seja portador e tenha relações sexuais com outro portador, poderá colocar a saúde de vocês em risco se não usar preservativo.
Lavras 24 horas

A AIDS

A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, conhecida como AIDS, é causada pelo vírus HIV e ataca o sistema imunológico. O vírus ataca as células de defesa do organismo, deixando o paciente muito mais vulnerável a doenças.
É transmitido através da relação sexual, mas não só. É possível também ser passado através de transfusões de sangue infectado, compartilhamento de agulhas e de mãe para filho durante a gestação, parto ou amamentação, chamada de transmissão vertical.
Reformatorisch Dagblad
Hoje em dia, é possível viver bem sendo soropositivo (tendo HIV), desde que siga as orientações médicas e tome os medicamentos indicados, mas não é fácil. Os remédios são fortes e causam diversos efeitos colaterais. Além dos impactos na saúde, existe um enorme preconceito que atinge os infectados pela doença.
Uma diagnóstico rápido pode ser fundamental para melhor a qualidade de vida da pessoa. Por isso é indicado fazer o exame para saber se é portador do vírus toda vez que passar por alguma situação de risco. No SUS o exame é rápido e gratuito.

Outras epidemias

Deixar de usar camisinha não acarreta apenas na possibilidade de transmitir o vírus HIV, existem diversas DSTs (doenças sexualmente transmissíveis) que podem prejudicar a tua saúde. Em 2015, a sífilis teve um aumento de 32,7% entre os adultos, chegando a 65.878 casos no Brasil.

Por isso, use camisinha. Sempre.

Fonte(s): UNAIDS, Erosdita, BBC, UOL Economia, O Globo, AIDS

emagrecer,dieta,abnoplastia,

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Postagens mais visitadas

Total de visualizações de página

Minha lista de blogs